Costuras

Maria é costureira. Desajeitada!

Refaz muitas vezes a mesma costura.

O marido foi embora, outros homens vieram, e foram.

Separa as partes, as marcas ficam. Esgarçado o tecido.

Rasgam-se, panos e Maria.

De alguns sentiu falta, de outros ainda tem as marcas.

Difícil esquecer.

O desenho da estampa nunca combina.

Destoa!

Ela quieta, quente, sonhante. Eles desejosos, às vezes, apenas donos.

Resolveu tentar um tom só. Difícil confundir.

Cama quente, e só, que aplacasse a fome grande que vem do ventre.

Mas ficou tão monótono, que acabou costurando trocado, enfiou os pés nas mãos e... refez.

Marcado, rasgado, esgarçado, tudo de novo.

Voltou aos estampados, bolados, florados, disfarçam os pontos abertos, grandes, mal alinhavados.

Ainda costura, ainda se rasga.

Costura com pouca linha, muita força e cor, sentidos aguçados, gestos assustados, medo de romper. Por que as coisas que quer se alinhavam tão vagarosamente?

maria izabel

 



voltar