Desregrar

 

Como a maioria das mulheres, ela sentiu medo. Da velhice, do não desejo, de se fechar. Chorou. Desesperou-se. Mas, quando o eterno sentimento feminino de gerar se fez urgente, suavizou. Retomou a vida. Desta vez com uma visão des_regrada. Afinal, estava sem as regras. Ousou! E nesse instante, engravidou. Grávida dos sonhos, nasceram telas, poemas, paixões. E também, uma nova e madurada mulher.

maria izabel

 

voltar