Diluição

Aquele amor uma aquarela. Delicadas transparências em perfeita justaposição. Tela fluída em manchas tonalizadas. Suaves espaços em branco. Silêncio. Para aquela aquarela luz e sombra. Momentos de “quinta justa”. Mas fluiu tanto, que ultrapassou a moldura, tingiu paredes, chão, terra e se evadiu de mim. Para esta saudade um teatro mambembe onde crio velhas personagens e sinto antiga emoção.

maria izabel

 

voltar