Acolhimento


Há quem se aproxime, para acarinhar.

Que conhece os dias curtos, e as noites longas.

Há quem sabe da lágrima que cai,

quando ninguém está perto e não há o que falar.

Há quem sabe,

E para quem não sabe, há o vento para contar.

maria izabel

 

voltar