Sou


Estrume que alimenta os campos. Cheiros, mal-cheiros, odores, suores.

Remela de olho, secreções várias, coloridas, definidas, indefinidas.

O que instiga a vingança, o que trai. Quem pode sabotar, e quem sabe amar.

Judas e Cristo!

Quem trepa e quem ama, quem ajuda a criar e quem mata.

O inseto na teia e a aranha. Criador do vírus e descobridor da cura.

Tripas, ossos, carne, sangue, perseguem os pedaços em uso.Os recebidos, os que foram impostos e os escolhidos.

Uma imensa colcha de retalhos instintivamente selecionados pra criar ou guerrear. Nas guerras isoladas ou na guerra geral.

O ser ausente ou o presente, que pressente a fera e a flor. A seca e a semente.

Sou!

Apenas sou.

 

maria izabel

 

voltar